Bélgica sofre no primeiro tempo, mas deslancha no segundo e bate o Panamá

18/06/2018 - 15h33

A Bélgica comprovou em campo por que é considerada uma das favoritas a levar a Copa do Mundo e estreou com vitória sobre o Panamá por 3 a 0, nesta segunda-feira, em Sóchi, pelo Grupo G. O placar foi elástico, mas não foi o passeio que muitos esperavam no primeiro tempo, quando a Bélgica sofreu com a retranca do Panamá e passou zerada. No segundo, porém, as estrelas belgas deslancharam. Mertens fez um golaço logo no segundo minuto, e Lukaku, primeiro camisa 9 a marcar na Copa, fez mais dois - um de cabeça completando passe de trivela de Kevin de Bruyne, outro aproveitando enfiada de Eden Hazard. Aos panamenhos, que fizeram seu primeiro jogo na história das Copas, fica a missão de tentar pontuar nos dois jogos seguintes, contra Inglaterra e Tunísia, que se enfrentam ainda nesta segunda, às 15h de Brasília.

PRIMEIRO TEMPO

A Bélgica foi superior desde o início. Avançando seus alas e fazendo a saída de jogo com seus três zagueiros, os belgas ocupavam todo o campo do Panamá, buscando a melhor oportunidade para finalizar. E quando perdiam a bola, imediatamente pressionavam para tentar recuperar a posse. Assim, sufocavam o Panamá. Foram três boas chances criadas logos nos 10 primeiros minutos. Aos poucos, o ritmo foi diminuindo, e o Panamá conseguiu respirar - ainda que sem chegar perto da área da Bélgica. Foi aí que entrou em campo o 12º jogador do Panamá: a torcida russa, simpática aos panamenhos, passou a apoiá-los e vaiar cada toque na bola dos belgas. Os Diabos Vermelhos sentiram o golpe e passaram a errar passes simples. E a etapa inicial acabou com 0 a 0.

SEGUNDO TEMPO

Num jogo amarrado, um lance genial fez toda a diferença. No segundo minuto da etapa final, Mertens pegou uma bola espirrada e, de primeira, sem deixar cair, mandou no ângulo direito do goleiro Penedo - um golaço! O Panamá, então, resolveu se lançar mais ao ataque e teve chance clara com Murillo, aproveitando o espaço deixado às costas de Ferreira-Carrasco, que é atacante de origem, mas tem jogado na ala esquerda. O jogo foi decidido aos 23, com o segundo gol da Bélgica. Em linda jogada de Kevin De Bruyne (um passe de trivela), Lukaku mostrou toda sua qualidade de centroavante e desviou de cabeça para a rede. E teve mais gol de camisa 9: aos 29, Lukaku aproveitou bela enfiada de Eden Hazard e tocou por cima do goleiro.

IRMÃOS EM CAMPO

Aos 37 do segundo tempo, o irmão mais novo de Eden Hazard, Thorgan, entrou no lugar de Mertens. Por dez minutos, eles tiveram a possibilidade de jogar juntos numa partida de Copa do Mundo, para orgulho da família Hazard.

PODEROSA GERAÇÃO BELGA

Para desespero dos corneteiros, todos os craques da Bélgica tiveram papel decisivo: Lukaku (do Manchester United, eleito o melhor em campo pela Fifa) fez dois gols de centroavante, Mertens (do Napoli) fez um golaço, Eden Hazard (Chelsea) e Kevin De Bruyne (Manchester City) deram uma assistência cada. Este último, aliás, errou 16 passes, o que obviamente não é comum para um jogador de sua qualidade. Mas, quando acertou, foi decisivo e brilhante - sua assistência para Lukaku foi de trivela. O único a decepcionar foi Ferreira-Carrasco. Jogando como ala, o atacante deu muito espaços na marcação, e os panamenhos procuraram jogar às suas costas.

APITO NERVOSO

O árbitro Janny Sikazwe, de Zâmbia, não teve receio em distribuir cartões. Foram oito amarelados, sendo cinco para o Panamá e três para a Bélgica, fazendo do jogo em Sóchi o que teve mais cartões até o momento nesta Copa.

O QUE VEM POR AÍ

O próximo jogo da Bélgica será no sábado, contra a Tunísia, em Moscou, no estádio do Spartak, às 9h. Já o Panamá encara a Inglaterra no domingo, em Nizhny Novgorod, também às 9h. Sempre lembrando: se Bélgica e Brasil passarem em primeiro em seus grupos, e passarem pelas oitavas, encontram-se nas quartas.


  • por
  • Jornal Regional



DEIXE UM COMENTÁRIO

Facebook