BOLA EM JOGO: Peso da camisa fez a diferença

Com dois gols, Luizinho (9) foi o carrasco do São José

Com dois gols, Luizinho (9) foi o carrasco do São José

24/04/2017 - 14h43
banner responsivo

Por SERGIO WATHIER

Para muitos a equipe do São José era favorita na semifinal contra o Guarani. Tinha gente que pregava que o time de Cristo Rei era mais qualificado e que em casa, com o apoio de sua torcida, não teria dificuldades para suplantar a equipe bugrina. Enganaram-se redondamente. Na hora da verdade pesou a tradição da camisa rubro-negra. O Guarani jogou como time grande e se impôs mesmo atuando em território inimigo. Foi assim quando atropelou o Grêmio Tunense, em Tunápolis. E no domingo, em Cristo Rei, não foi diferente. Com boa disposição tática e sendo mortal nos contra-ataques, o Bugre sacramentou sua classificação à final.

CARRASCO VOLTOU

Luizinho vinha de atuações um tanto apagadas. Alguns até duvidavam de sua condição de titular. Mas quando o Guarani mais precisou, o artilheiro disse "presente".  Com dois gols Luizinho transformou-se no carrasco da equipe alvi-azul da simpática comunidade de Cristo Rei.  Todo o time, de maneira em geral, foi bem. Chocolate foi seguro no gol. A zaga com Spinha e Bazotti foi eficiente. Vandoir e André são, na minha modesta opinião, os dois melhores laterais do campeonato. Rato, após longos meses afastado por lesão, retornou muito bem, dando um toque de qualidade ao meio de campo bugrino. Ao seu lado, Meireles e Leo Barreto são verdadeiros "leões de chácara". Edu Becker puxou os contra-ataques que mataram o São José. E na frente, Bedin e Luizinho, fizeram o que deles se esperava: gols.

MÃO DO TÉCNICO

Admito que em certos momentos tenho criticado o técnico Beleza. Mas ontem (23), em Cristo Rei, ele foi arrojado quando sacou Meireles e colocou em seu lugar o lateral Groko. Ali ele deu mostras de que queria a vitória. O time ganhou mais velocidade no lado do campo e com a versatilidade de Vandoir, cresceu o meio de campo. Também acertou quando colocou Jonas em lugar de Bedin, que cansou no segundo tempo. Enfim, boa parte da vitória que colocou o bugre na final se deve ao dedo do treinador.

ADVERSÁRIO DA FINAL

O adversário da final será o Grêmio União, de Iporã do Oeste. O time tricolor passou pelo Harmonia com autoridade. Em casa, venceu todos os seus compromissos. A única derrota do Grêmio foi para o próprio Harmonia, em Guaraciaba. Portanto, é pura carne de pescoço. Nos confrontos da primeira fase, o time de Iporã venceu uma e empatou outra, em jogos equilibradíssimos. Os gremistas acham que o fato de jogar a segunda partida em casa pode ser decisivo. Já o Guarani tem jogado melhor longe de São Miguel. Não ouso antecipar um palpite, mesmo porque a vitória deve premiar quem errar menos. 


  • por
  • Kia Chavious



DEIXE UM COMENTÁRIO

Facebook