CRIME ELUCIDADO: Advogado executado com um tiro foi vítima de crime encomendado
Numa investigação que durou pouco mais de dois meses, Polícia Civil prendeu o mandante, o assassino e mais três comparsas.

08/11/2018 - 23h26

Numa investigação em tempo recorde, que durou pouco mais de dois meses, a Polícia Civil elucidou um dos crimes mais intrigantes ocorridos no Extremo Oeste de Santa Catarina. No dia 13 de agosto deste ano a região foi surpreendida com a notícia do assassinato do conceituado advogado Joacir Montagna, de Guaraciaba. Era cedo da manhã, quando dois homens, numa moto, chegaram ao seu escritório, que ficava no centro da cidade. Enquanto um deles ficou de campana, o outro, usando capacete para não ser identificado, invadiu o gabinete e com um tiro disparado à queima roupa, tirou a vida de Montagna. Após matar o advogado, o criminoso e seu comparsa fugiram de moto.

 Através da operação denominada "Defesa da Ordem", a Polícia Civil desencadeou uma verdadeira caçada para identificar e prender os envolvidos. Um a um eles foram sendo presos. Com base no inquérito com 1.200 páginas ficou provado o envolvimento de cinco homens no assassinato. A investigação contém elementos e provas que comprovam seus envolvimentos. O crime foi elucidado com base em depoimentos de testemunhas, análise de imagens de monitoramento, quebra de sigilo telefônico e várias diligências até o apontamento dos nomes e do paradeiro dos suspeitos, agora indiciados.

De acordo com o que foi noticiado pela Rádio Peperi AM, o detento Adelino Dala Riva, de 45 anos, é apontado como o mandante do crime. Mas quem executou o advogado foi Lucas Gomes dos Santos, de 23 anos. Por ocasião de sua prisão, ele confessou ter atirado em Montagna. Também estão envolvidos na morte do advogado Abel dos Santos, de 21 anos, e David dos Santos, de 28 anos, ambos irmãos do assassino, e José de Almeida, de 51 anos.

Consta dos autos que Dala Riva foi sentenciado a 56 anos de cadeia, por roubo de cargas. Joacir Montagna fez sua defesa e teria garantido a liberdade do então acusado. Dala Riva teria desembolsado muito dinheiro no decorrer do processo. Após cumprir oito anos de cadeia, o acusado conseguiu liberdade condicional e aproveitou para visitar o advogado, em Guaraciaba, exigindo que ele lhe devolvesse parte do dinheiro investido em sua defesa. Montagna teria negado e isso revoltou o ex-cliente.

Foi então que Dala Riva encomendou a morte do advogado, contratando Lucas dos Santos. O pistoleiro confessou que precisava de dinheiro porque estava foragido da justiça do Rio Grande do Sul e queria conseguir um advogado para tentar cumprir a pena em Chapecó. Após aceitar a proposta, chegou a visitar a região uma semana antes do crime para planejar a ação.

Lucas, Abel, David Gomes dos Santos e Adelino José Dala Riva estão sendo indiciados por homicídio, adulteração de veículo, porte ilegal de arma de fogo e associação criminosa. Pesa ainda contra os quatro acusados agravantes como o motivo fútil, crime premeditado e uso de meios que dificultaram a defesa da vítima, além da vantagem pelo recebimento de valores. Já José de Almeida responderá por associação criminosa e por porte ilegal de arma.


  • por
  • Jornal Regional



DEIXE UM COMENTÁRIO

Facebook

SIGA-NOS