Horta Comunitária com plantas fitoterápicas e medicinais é implantada em posto de saúde

17/05/2018 - 15h29

Uma Horta Comunitária com plantas fitoterápicas e medicinais foi implantada no posto de saúde no bairro São Jorge. O trabalho foi viabilizado pelo envolvimento da equipe da Secretaria Municipal de Saúde que atende no ESF local, estagiário do curso de Enfermagem da Unoesc, NASF e comunidade em geral.

Segundo a enfermeira da Secretaria, Maiara Schoeninger, durante um encontro do grupo Hiperdia, que ocorre mensalmente no bairro, a farmacêutica Caroline Belló realizou uma palestra referente ao uso de fitoterápicos e plantas medicinais, e após isso, iniciou-se a construção da horta e a elaboração da apostila didática.

“Tendo como reflexão as distintas perspectivas sobre o fenômeno da medicalização, que atinge a sociedade como um todo, e leva ao uso excessivo de remédios e terapias, foi que a comunidade do bairro São Jorge tomou a iniciativa de buscar soluções alternativas e complementares, utilizando embasamento teórico e prática de cunho científico, na tentativa de frear o processo como um todo”, relata Maiara.

A enfermeira destaca que as plantas medicinais e seus derivados estão entre os principais recursos terapêuticos e vêm, há muito tempo, sendo utilizados pela população brasileira nos seus cuidados com a saúde. Ela explica que a utilização da natureza para fins terapêuticos é tão antiga quanto a civilização. Estima-se que pelo menos 25% de todos os medicamentos modernos são derivados direta ou indiretamente de plantas medicinais, principalmente por meio da aplicação de tecnologias modernas ao conhecimento tradicional.

SAIBA MAIS

No Brasil, em consonância com as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), foi aprovada, em 2006, a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. O Ministério da Saúde considera as plantas medicinais como importantes instrumentos da assistência farmacêutica e expressa sua posição a respeito da necessidade de valorizar a sua utilização no âmbito sanitário. Cerca de 82% da população brasileira utiliza produtos à base de plantas medicinais, através do conhecimento tradicional na medicina indígena, uso popular da medicina através da transmissão oral entre gerações, ou nos sistemas oficiais de saúde, como prática de cunho científico, orientada pelos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS).


  • por
  • Jornal Regional
  • FONTE
  • Ascom/Prefeitura



DEIXE UM COMENTÁRIO

Facebook