MPSC pede que PM abra inquérito contra policial que aparece em vídeo com grupo constrangendo mulher na Rússia

Foto Divulgação NSC

Foto Divulgação NSC

20/06/2018 - 22h53

A 5ª Promotoria de Justiça da Capital, que atua na área criminal militar, pediu na terça-feira (19) à Polícia Militar que instaure um inquérito policial militar contra o tenente Eduardo Nunes, que aparece em um vídeo que circula nas redes sociais nos quais ele e outros brasileiros constrangem uma mulher na Rússia.

Ainda na terça-feira, a corporação já havia se manifestado oficialmente sobre o ocorrido, dizendo que assim que Nunes retornar ao batalhão de Lages, na Serra catarinense, será aberto um processo administrativo disciplinar para apurar a conduta irregular dele.

A requisição do promotor de Justiça Wilson Paulo Mendonça Neto pede para analisar suposto crime de racismo e assédio. O documento foi enviado ao batalhão de Lages e à Corregedoria-Geral da Polícia Militar.

O promotor ainda afirma que, preliminarmente, o caso pode ser enquadrado como racismo. "Uma vez que, ao glorificar a cor da moça (branca), implica-se que outros tons de pele são inferiores", explicou. Entretanto, o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) só afirmará o enquadramento após investigação.

Defesa do policial e posição da PM

A defesa do tenente disse que o fato foi uma "situação isolada". As imagens mostram um grupo de homens, durante a Copa do Mundo, que finge cantar um hino de torcida mas fala palavras de baixo calão para a estrangeira, que não teve a nacionalidade identificada.

"Tal comportamento não condiz com a personalidade do Eduardo. Lamentamos o ocorrido e declaramos que se trata de uma situação isolada e desconexa com os demais atos de sua vida", diz o comunicado do escritório de advocacia que defende o policial.

A PM disse em nota que "a corporação não corrobora com este tipo de atitude que é incompatível com a profissão e o decoro da classe, previsto no regulamento disciplinar, independentemente de estar em período de férias, folga de serviço ou qualquer outra situação de afastamento, devendo portanto, responder por suas atitudes".

Outros envolvidos

Outro homem que aparece no vídeo também foi reconhecido. Ele é Diego Jatobá, advogado e ex-secretário de Turismo de Ipojuca (PE). A Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) e a Ordem dos Advogados daquele estado manifestaram repúdio em relação à gravação. A OAB-PE disse que vai investigar a conduta dele.

Também foi identificado no vídeo o engenheiro civil Luciano Gil Mendes Coelho. Ele é natural de Picos, no Piauí, e ex-membro do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia daquele estado. O profissional pediu desculpas e reconheceu o erro.


  • por
  • Jornal Regional



DEIXE UM COMENTÁRIO

Facebook