Brasil piora em ranking de percepção de corrupção

29/01/2019 - 18h27

Em 2018, o Brasil piorou e caiu 9 posições no ranking elaborado pela organização Transparência Internacional que avalia a percepção da corrupção no setor público em 180 países.

A pontuação brasileira recuou para 35 e o país passou a ocupar 105º lugar no Índice de Percepção da Corrupção (IPC), o que representa o pior resultado desde 2012. Quanto melhor a posição no ranking, menos o país é considerado corrupto.

O IPC pontua e classifica os países com base no quão corrupto o setor público é percebido por executivos, investidores, acadêmicos e estudiosos da área da transparência. O índice analisa aspectos como propina, desvio de recursos públicos, burocracia excessiva, nepotismo e habilidade dos governos em conter a corrupção.

Os países recebem notas de 0 a 100 – sendo 0 igual a um alto grau de percepção da corrupção, e 100, um alto grau de percepção de integridade no setor público.

Veja a posição de alguns países no ranking:

1) Dinamarca - 88 pontos

2) Nova Zelândia - 87 pontos

3)Finlândia - 85 pontos

4) Singapura - 85 pontos

5) Suécia - 85 pontos

6) Suíça - 84 pontos

7) Noruega - 84 pontos

8) Holanda - 82 pontos

9) Canadá - 81 pontos

10) Luxemburgo - 81 pontos

61) Cuba - 47 pontos

78) Gana - 41 pontos

85) Argentina - 40 pontos

105) Argélia - 35 pontos

105) Brasil - 35 pontos

105) Costa do Marfim - 35 pontos

178) Sudão do Sul - 13 pontos

178) Síria - 13 pontos

180) Somália - 10 pontos

Recuos consecutivos

O Brasil vem caindo no ranking desde 2014. Em 2016, o Brasil ficou em 79º. Em 2017, o país estava na 96ª colocação.

No ranking deste ano, o Brasil ficou empatado com Argélia, Armênia, Costa do Marfim, Egito, El Salvador, Peru, Timor Leste e Zâmbia.

Para a Transparência Internacional, a piora da percepção da corrupção nos últimos anos coincide com o fenômeno da Lava a Jato, que tornou mais visível a corrupção sistêmica.

Já a queda na nota brasileira em 2018 é, na análise do diretor-executivo, um reflexo dos “grandes escândalos que atingiram o país”, entre eles, as denúncias apresentadas à Justiça contra o ex-presidente Michel Temer (MDB).

O diretor-executivo da Transparência Internacional no Brasil também afirma que o combate contra a corrupção foi negligenciado no país durante a administração Temer.

O que deveria ter acontecido, na opinião de Brandão, era o país começar olhar para a frente na luta contra a corrupção sistêmica e começar a aprovar reformas legais e institucionais para atacar a causa do problema.

Como formas de o Brasil olhar para frente, o grupo recomenda medidas para aumentar a transparência, regulamentar o lobby, desburocratizar o Estado, criação de leis de proteção a denunciantes e aprimorar formas de seleção de ministros e conselheiros dos Tribunais de Contas.

Ranking

Entre os países mais corruptos do ranking, estão Somália, Síria, Sudão do Sul, Iêmen e Coreia do Norte.

A Dinamarca lidera o ranking com menor percepção de corrupção, com 88 pontos. Entre os 10 países melhores colocados, sete são nações europeias. O Canadá é o único representante das Américas no top 10.


  • por
  • Jornal Regional



DEIXE UM COMENTÁRIO

Facebook