Ex-prefeito Nelsinho diz que é alvo de perseguição política

05/12/2019 - 23h10

O ex-prefeito Nelson Foss da Silva se manifestou nesta quarta-feira (04), no programa Peperi Entrevista, da rádio Peperi,  sobre a condenação que sofreu em ação civil pública movida pelo Ministério Público de São Miguel do Oeste. Ele foi condenado por fraude em licitação ao pagamento de multa civil de 10 vezes o valor da remuneração percebida quando exercia o cargo de prefeito. Nelsinho também teve os direitos políticos suspensos por três anos. Segundo o Ministério Público, a contratação de serviços de advocacia para a atuação em um processo para a recuperação de créditos tributários para o município de São Miguel do Oeste ocorreu de forma irregular.

Na entrevista à Peperi o ex-prefeito disse que o processo crime sobre a mesma questão já transitou em julgado e o TJ declarou que a contratação dos advogados ocorreu de forma legal. Ele afirmou que se a justiça tiver o mínimo de bom senso vai aceitar o recurso e anular a condenação na ação civil pública. Nelson Foss Da Silva alegou que o único crime que cometeu foi defender o município de São Miguel do Oeste, que, segundo argumenta, teria sido lesado pelo governo do estado.

Explicou que o ex-governador Luís Henrique da Silveira se apropriou de recursos que eram dos municípios no Prodec - programa de desenvolvimento da empresa catarinense. Nelson disse que na condição de prefeito trabalhou para defender os direitos do município e contratou uma equipe de advogados especializados para reaver o valor que era da prefeitura. A ação movida pelos profissionais resultou na recuperação de cerca de R$ 670 mil. O ex-prefeito reafirmou que não fez nada de errado e que quem deveria estar sendo julgado era o governo do estado e não ele.

O ex-prefeito também fez uma dura crítica ao Ministério Público, autor da ação civil publica no caso da contratação de advogados especialistas em direito tributário pela prefeitura no ano de 2012. Nelsinho questionou qual foi o real objetivo do Ministério Público ao publicar a condenação que ele sofreu em primeiro grau. Nelson perguntou por que o MP não deu publicidade à ação criminal que considerou os fatos legais. O ex-prefeito disse que a promotoria deveria promover a justiça e não fazer perseguição política.

O programa entrou em contato com o Ministério Público de São Miguel do Oeste oferecendo espaço para o contraponto às críticas do ex-prefeito, mas o MP não deve se manifestar a respeito.

>>>Clique e receba notícias do JRTV Jornal Regional diariamente em seu WhatsApp.


  • por
  • Jornal Regional
  • FONTE
  • Portal Peperi



DEIXE UM COMENTÁRIO

Facebook