Lojistas catarinenses estão otimistas

18/11/2019 - 12h45

O comércio varejista catarinense é um dos que mais crescem no Brasil. Em setembro deste ano, último dado disponível, a alta no volume de vendas chegou a 8,1% no acumulado de 12 meses.

De acordo com o economista da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio-SC), Luciano Córdova, entre os segmentos que tiveram melhor desempenho no período de setembro de 2018 a setembro de 2019 estão equipamentos para material de escritório, informática e comunicação e combustíveis e lubrificantes. Por outro lado, livros jornais e revistas apresentam forte queda em seu volume de vendas.

Segundo o presidente da entidade, Bruno Breithaupt, em uma perspectiva mais ampla, as vendas estão em níveis próximos aos períodos imediatamente anteriores à crise econômica. “O comércio já superou seus piores momentos, vividos em 2016 e 2017. Porém, desde o início de 2019, as vendas diminuíram o ritmo de crescimento e a recuperação parece ter atingido o limite que poderia, dadas as condições da economia”, analisou.

Ele acredita que para que o comércio varejista continue se expandindo são necessárias medidas de estímulo ao mercado interno. “O desemprego ainda está elevado e precisa ser reduzido; a renda permanece estagnada; e o crédito está se recuperando de maneira lenta. 

Atacar esses problemas nos próximos meses, por meio da redução dos juros e estímulos ao investimento produtivo, é fundamental para o crescimento do comércio não somente nos próximos meses, mas nos próximos anos.”

A recuperação da economia mostra que, muito embora esteja crescendo em um ritmo mais lento do que o esperado, deve melhorar agora no último trimestre do ano. Juros em queda, abertura de postos de trabalho, ainda que puxado pela informalidade, e melhora no índice de confiança dos empresários do ramo contribuem para essa percepção. A observação é do assessor Institucional da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDL-SC), João Carlos Dela Roca. Ele revelou que uma pesquisa de expectativa de vendas, 66% dos lojistas acreditam que haverá uma melhora no próximo Natal em relação ao de 2018.

Outro dado que ele destaca como positivo é a liberação de recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Neste caso são dois os efeitos: uso desses valores para compras de final de ano ou para negociar o pagamento de dívidas para limpar o nome do consumidor. 

“Com certeza a possibilidade de voltar a comprar em parcelas vai aquecer as vendas. Um levantamento feito no SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) mostra que 72% das dívidas são de valores até R$ 500,00”, apontou Dela Roca.

Os preferidos

Também de acordo com pesquisa, espontânea, o segmento de vestuário mantém a posição como o mais movimentado para as vendas de natal. A expectativa é que 31% das vendas para a data mais importante para o comércio sejam de vestuário. Na sequência vêm calçados (12,24%) e joias e acessórios (11,22%), brinquedos (7%) e smartphones (5%). O índice restante é diluído entre outros produtos. O gasto médio é projetado com uma pequena alta, devendo ficar em torno de R$ 150,00 por presente. Para dar conta do movimento maior trazido pelo Dia das Crianças, Black Friday e pelo Natal, os entrevistados afirmaram que vão contratar trabalhadores temporários.

Um em cada quatro empresários pretende ampliar o quadro de funcionários entre outubro de 2019 e fevereiro de 2020, conforme aponta a pesquisa Trabalhadores temporários no comércio – Temporada de Verão de 2020, realizada pela Fecomércio-SC com 400 empresas nas cidades de Florianópolis, Itajaí, Blumenau, Joinville, Criciúma, Lages e Chapecó.

Por mais que o ritmo da retomada da economia seja lento, o que se reflete em um comportamento conservador no consumo, o levantamento feito pela FCDL-SC mostra que 84,18% dos comerciantes acreditam que 2020 será um ano melhor que em 2019.

O presidente da FCDL-SC, Ivan Tauffer, também está otimista as iniciativas promovidas até aqui pelo governo federal. Mas alerta:

“Só estaremos pavimentando uma estrada segura para um futuro mais produtivo se essas medidas  forem verdadeiramente acompanhadas de contenção de gastos públicos e investimentos em infraestrutura.”

Comércio varejista

Variação do volume e receita nominal de vendas (%) Setembro 2019

Variação mês

(mês anterior com ajuste sazonal)

Índice de volume de vendas

Brasil ———————– 0,7

Santa Catarina —————- 1,7

Índice de receita nominal 

Brasil ———————–  0,7

Santa Catarina —————- 1 ,6

Variação mensal

(Base: igual mês do ano anterior)

Índice de volume de vendas

Brasil ———————–  2,1

Santa Catarina —————- 9,6

Índice de receita nominal 

Brasil ———————— 3,5

Santa Catarina —————  10,9

Variação acumulada no ano

(Base: igual período do ano anterior)

Índice de volume de vendas

Brasil ———————— 1,3

Santa Catarina —————   8,0

Índice de receita nominal 

Brasil ———————–   4,6

Santa Catarina —————- 11,2

Variação acumulada de 12 meses

Índice de volume de vendas

Brasil ———————–    1,5

Santa Catarina —————-   8,1

Índice de receita nominal 

Brasil ———————— 5,1

Santa Catarina —————   11,

>>>Clique e receba notícias do JRTV Jornal Regional diariamente em seu WhatsApp.


  • por
  • Jornal Regional



DEIXE UM COMENTÁRIO

Facebook