"Nunca foi tão fácil ser ladrão nesse país", diz Lula durante depoimento à Justiça Federal

Depoimento do ex-presidente durou duas horas e 38 minutos  Foto: Reprodução / JFPR

Depoimento do ex-presidente durou duas horas e 38 minutos Foto: Reprodução / JFPR

15/11/2018 - 15h51

O ex-presidente Luiz Ináio Lula da Silva prestou depoimento à Justiça Federal do Paraná, na tarde desta quarta-feira (14). Em duas horas e 38 minutos, o petista negou ser dono do sítio em Atibaia, afirmou que é o troféu que a Lava-Jato queria entregar e disse que a delação premiada beneficia o criminoso.

No processo, Lula é acusado de ter facilitado contratos na Petrobras para as construtoras Odebrecht e OAS em troca de reformas no sítio.

Abaixo, veja algumas frases do ex-presidente durante a audiência: 

— Nunca foi tão fácil ser ladrão nesse país. Você rouba, aí depois você faz a delação e fica com um terço do roubo ou dois terços do roubo — disse o ex-presidente, em meio a questionamento sobre propinas pagas para garantir benefícios em contratos da Petrobras.

— O (o ex-tesoureiro do PT João) Vaccari (Neto) fez uma carta desmentindo e o juiz Moro não aceitou. Agora, vem outra vez "vai para o caixa dois". Ora, o caixa dois virou um pote de água benta. E o Vaccari está aqui perto, é só trazer o Vaccari. Pergunta para o Vaccari se ele quer falar — reclamou, em relação a trecho de depoimento de Léo Pinheiro, da OAS, onde o empresário citou supostos repasses irregulares ao PT. 

— Não sei se a senhora é casada, mas o seu marido entende pouco de cozinha, como eu. Não era comigo esse assunto — esquivou-se, em relação a não ter detalhes sobre a reforma na cozinha do sítio, que teriam sido bancadas pela OAS por meio de propina. 

— A única coisa que eu tenho a tranquilidade de dizer é dizer que eu não sei quanto custou, quanto gastou, quem fez, por que fez e o que fez. Quem pode dizer isso é quem é o dono do sítio — afirmou, em relação às reformas realizadas no imóvel.

— Agora ficou fácil citar o nome da dona Marisa (Letícia), porque ela morreu. Então, agora, é muito fácil — disse, ao defender que não acredita que ela tenha contratado a reforma. 

— A Marisa não tinha, no meu conhecimento, nenhuma relação com a Odebrecht.

— Quando eu conheci o sítio, o sítio já não tinha reforma, o sítio estava pronto — disse o ex-

presidente, ao reforçar que não tinha participação nas tratativas para promover melhorias no local.

— Passei a frequentar o sítio em 2011, alguns finais de semana, junto com Jacó Bittar, junto com o Fernando (Bittar). Eu ficava hospedado de final de semana lá — destacou Lula, sobre a sua estadia no imóvel. 

— Eu era o troféu que a Lava-Jato precisava entregar — desabafou o presidente, que se considera vítima nos processos que responde na Justiça. 

— Eu não sei mais o que fazer a não ser esperar por Deus ou esperar que esse país tenha Justiça. 

— Eu estou cansado, eu estou cansado. É um processo de mentira atrás de mentira atrás de mentira, e tudo começou com o PowerPoint — disse, em referência à apresentação elaborada pelo procurador da República Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Operação Lava-Jato. 

Na apresentação, o procurador afirmou que o petista é o "comandante máximo" do esquema de corrupção investigado pela Lava-Jato.

— O presidente da República não libera dinheiro para pagar obra da Petrobras. Não cabe ao presidente fazer isso. E tampouco isso é coisa de orçamento. Aliás, isso é coisa da Petrobras.

 

 


  • por
  • Jornal Regional
  • FONTE
  • Diário Catarinense
  • busca rápida



DEIXE UM COMENTÁRIO

Facebook