Mundo passa de 80 milhões de vacinas aplicadas contra a Covid-19

28/01/2021 - 10h50

Mais de 80 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 já foram aplicadas em todo o mundo, aponta levantamento do projeto “Our World in Data”, ligado à Universidade de Oxford.

Os EUA lideram a corrida pela vacinação com 23,57 milhões de doses aplicadas até o momento, a China divulgou novos dados após sete dias e se aproximou de 22,77 milhões.

Completam o top 5: Reino Unido (7,64 milhões), Israel (4,25 milhões) e Emirados Árabes Unidos (2,76 milhões). O Brasil subiu para a 12ª posição (1,13 milhão), atrás da França (1,14 milhão) e à frente de Rússia (1 milhão).

O número de vacinados no Brasil contabilizados pelo “Our World in Data” (1,13 milhão) é diferente do levantamento do consórcio de veículos de imprensa (1,24 milhão). O consórcio coleta informações diariamente com Secretarias de Saúde estaduais e do Distrito Federal, enquanto o “Our World in Data” usa dados de uma plataforma colaborativa.

O “Our World in Data” é um projeto colaborativo de pesquisadores da Universidade de Oxford e da ONG Global Change Data Lab que acompanha dados públicos sobre a pandemia e outros assuntos de repercussão mundial.

Israel lidera os rankings proporcionais à população. Quase um terço da população já recebeu ao menos uma dose da vacina contra a Covid-19 e um sexto já foi completamente imunizada, segundo o “Our World in Data”.

Os países com mais pessoas que receberam ao menos uma dose são: Israel (32,4%), Emirados Árabes Unidos (25,42%), Reino Unido (10,55%), EUA (6,01%) e Dinamarca (3,17%).

Os países com mais habitantes completamente imunizados são: Israel (16,74%), Emirados Árabes Unidos (2,53%), Islândia (1,41%), EUA (1,05%) e Reino Unido (0,7%).

Quase sete milhões de pessoas já receberam as duas doses necessárias para a imunização recomendada pelas farmacêuticas. Os países que têm mais pessoas completamente imunizadas são: EUA (3,48 milhões), Israel (1,45 milhão), Reino Unido (474 mil), Alemanha (318 mil) e Emirados Árabes Unidos (250 mil).

O intervalo entre a primeira e a segunda doses depende da vacinas contra a Covid-19 que é aplicada:

Pfizer/BioNTech: recomendam 21 dias entre uma aplicação e outra e dizem que a eficácia é de 95%;

Oxford/AstraZeneca: eficácia de 70% já na primeira dose, após 21 dias, e a proteção sobe para 80% quando a segunda é aplicada 12 semanas depois;

CoronaVac: testes no Brasil usaram intervalo de 14 dias entre as doses e apontaram uma eficácia de 50,38%; recentemente, a Sinovac afirmou que a vacina é mais eficaz com um tempo maior entre as aplicações

>>>PARTICIPE DO GRUPO DE NOTÍCIAS NO WHATSAPP.


  • por
  • Jornal Regional



DEIXE UM COMENTÁRIO

Facebook

banner responsivo
banner responsivo

SIGA-NOS