Ministério da Saúde investe mais de R$ 23 milhões em ações de alimentação e nutrição

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

11/06/2021 - 10h59

Mais de 1.170 municípios brasileiros receberão recursos do Ministério da Saúde para ações de alimentação e nutrição. Ao todo, serão investidos R$ 23,4 milhões em políticas de alimentação saudável nas unidades de saúde da Atenção Primária de cidades com mais de 30 mil habitantes em todo o país. A implementação dessas ações será feita com base na Política Nacional de Alimentação e Nutrição 2021 (PNAN). 

“A alimentação inadequada é o principal fator de risco que impacta na nossa saúde. Por isso, é uma prioridade do Ministério desenvolver ações para promover saúde, incluindo alimentação”, afirma Gisele Bortolini, coordenadora-geral de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde. 

A alimentação adequada e balanceada, além de fazer bem para saúde, ainda previne várias doenças que podem acompanhar o sobrepeso e obesidade, como cardiopatias, doenças renais, diabetes e hipertensão. No Brasil, em 2019, dos 12,7 milhões de adultos acompanhados na Atenção Primária à Saúde, 63% estavam com excesso de peso e 28,5% apresentaram quadro de obesidade. Os dados são do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan). 

“É como se a cada 10 brasileiros que entram no serviço de saúde, 6 estivessem acima do peso. E a grande maioria apresenta esse problema devido à alimentação inadequada”, diz Gisele. Segundo ela, o recurso permitirá que estados e municípios façam o investimento de acordo com as necessidades locais. 

O Ministério da Saúde realiza o repasse dos recursos do Financiamento das Ações de Alimentação e Nutrição (FAN) desde 2006 e devem ser aplicados pelos estados e municípios, prioritariamente, em: 

-programas de vigilância alimentar e nutricional;

-promoção da alimentação adequada e saudável;

-prevenção dos agravos relacionados à alimentação e nutrição, especialmente sobrepeso e obesidade (com destaque para obesidade infantil), desnutrição, anemia por deficiência de ferro, hipovitaminose A e beribéri;

-qualificação da força de trabalho em alimentação e nutrição;

-organização da atenção nutricional da Atenção Primária à Saúde;

-gestão das ações e programas de alimentação e nutrição no SUS.

>>>PARTICIPE DO GRUPO DE NOTÍCIAS NO WHATSAPP. 


  • por
  • Jornal Regional



DEIXE UM COMENTÁRIO

Facebook