'Um rapaz problemático, sofria bullying na escola’, delegado detalha perfil de responsável por chacina em creche de Saudades

04/05/2021 - 21h42

“Um rapaz problemático, sofria bullying na escola, era muito introspectivo e quase não tinha amigos”, relata o delegado Jeronimo Maçal Ferreira sobre o comportamento do jovem de 18 anos responsável pelo ataque a escola Infantil Pró-Infância Aquarela, em Saudades, no Oeste de Santa Catarina, na manhã desta terça-feira (4).

O rapaz utilizou uma Katana, tradicional espada japonesa usada por samurais, popularmente conhecida como “espada ninja”, para atacar crianças e profissionais da unidade de ensino.

Entre as vítimas fatais estão três crianças, todas bebês com até dois anos, a professora Keli Adriane Anieceviski, de 30 anos, e a agente educativa, Mirla Renner, de 20 anos. Após ferir as vítimas, o jovem ainda tentou tirar a própria vida.

Perfil

A polícia conversou com os pais e a irmã do jovem ainda na tarde desta terça-feira. Segundo Ferreira, apesar do comportamento fechado, os familiares não imaginavam que ele poderia cometer um crime desta magnitude.

“Era um rapaz ‘quietão’, não se abria com ninguém, não tinha namorada, não tinha celular, os poucos amigos que tinha já haviam se afastado nos últimos dias”, conta o delegado.

“É um perfil que hoje já é comum na sociedade. Um jovem que se tranca no quarto e ninguém sabe o que está fazendo no computador. Gostava de jogos online, alguns violentos. Ele tinha alguns problemas dentro de casa. Inclusive, em razão desse bullying sofrido na escola, ele não queria ir mais ir às aulas”, completa.

O delegado ainda relatou que o jovem estava no ensino médio e trabalhava em uma empresa do município. Na casa da família foram encontrados R$ 11 mil em espécie, dinheiro proveniente do trabalho do rapaz.

“Os próprios familiares relataram que era dinheiro da empresa. Ele não saia de casa, não gastava com nada, então ficava guardando esse dinheiro”, explica.

Arma do crime foi comprada recentemente

A arma utilizada no crime foi comprada pelo jovem há poucos dias, segundo a família. Uma outra arma branca, de menor porte também foi comprado. Mas, segundo a polícia, apenas a maior foi utilizada.

Os familiares relataram à polícia que, quando questionado de o porquê ter comprado os objetos, o jovem afirmou, em tom de brincadeira, que era para “maltratar o animal de estimação que a mãe tinha em casa”.

“Ninguém da família imaginou que ele fosse fazer isso. É um Jovem problemático, mas, de acordo com a família, dentro da normalidade”, afirmou o delegado.

As investigações seguem e, ao longo dos próximos dias, a polícia espera entender qual a motivação do jovem para cometer o crime.

Ferreira finalizou afirmando que pretender interrogar o jovem. “Ainda não consegui [interrogar] porque ele está sendo submetido a uma cirurgia. Quero ver o que ele vai contar para juntarmos com peças de investigação com a versão dele para tentar entender a motivação desse crime”, pontua o delegado.

Entenda o caso

Um jovem armado com um facão invadiu a escola infantil Pró-Infância Aquarela, localizada na rua Quintino Bocaiúva, no bairro Industrial, em Saudades, no Oeste catarinense, na manhã desta terça-feira, e atacou alunos e colaboradores.

Segundo os bombeiros, duas crianças e uma professora morreram na hora. Uma terceira criança foi levada ao hospital, porém também não resistiu. As vítimas são bebês, todos menores de dois anos.

Ainda segundo os socorristas, uma mulher foi levada ao HRO (Hospital Regional do Oeste), de Chapecó, em estado grave, porém também morreu em decorrência dos ferimentos.

>>>PARTICIPE DO GRUPO DE NOTÍCIAS NO WHATSAPP. 


  • por
  • Jornal Regional



DEIXE UM COMENTÁRIO

Facebook

banner responsivo
banner responsivo

SIGA-NOS